03.10

Na terça-feira, 25/09,  foi divulgada a entrevista que a Leighton concedeu para a revista Glamour. Nela, a atriz fala um pouco sobre a sua vida pessoal, Gossip Girl, e sua nova série que estreou no dia 26! Você pode conferir abaixo a entrevista traduzida.

Dizer que Leighton Meester está animada com sua nova série, Single Parents, é um eufemismo. Não só o elenco e a equipe são “super engraçados e super legais”, mas ela usa jeans e tênis no set – um grande afastamento dos dois últimos ajustes que Gossip Girl fez anos atrás.
Mas o mais importante, a comédia da ABC é sobre um assunto que ela conhece bem hoje: os desafios da paternidade. O programa é sobre pais solteiros especificamente, sim, mas Meester – que tem uma filha de 3 anos, Arlo Day, com o marido Adam Brody – ainda encontra maneiras de se relacionar. “Angie é uma paralegal e mãe e tem pouquíssimo tempo para fazer qualquer coisa”, diz Meester. “Nós usamos a comédia no programa para explorar a paternidade e pais solteiros. Só posso imaginar que é o trabalho mais difícil do mundo, porque ser pai é o trabalho mais difícil do mundo.”
Dito isto, ela sabe que a experiência de cada pai é diferente. “Ninguém pode dizer como será a paternidade”, diz ela. “Você acha que sabe, e então é tão difícil. Eu me sinto tão sortuda que eu tenho ajuda e um marido. Eu me sinto estável, mas há muitas pessoas que não têm isso. De uma maneira realmente carinhosa, Single Parents explora como a paternidade é uma montanha russa emocional “.

Aqui, Meester compartilha sua própria experiência, como ela lidou com a mudança de Hollywood desde seu tempo em Gossip Girl e muito mais.

Em Single Parents, o personagem de Taran Killam é o tipo de pai que faz a massinha de modelar do zero. Que tipo de mãe você é na vida real?

LM: Eu tenho muito respeito pelas pessoas que fazem isso, mas não. As pessoas não são pagas para criar seus filhos; se o fizessem, estariam ganhando muito dinheiro fazendo todo o trabalho de secretariado, fazendo compras, limpando, cozinhando… ou apenas ouvindo. Para mim, estar em casa é incrível e estar no trabalho é incrível. Mas eu não acho que haja um equilíbrio. Tenho sorte de poder respirar entre cada projeto e apreciar os dois.

Você mencionou um ponto interessante – a questão de como as mulheres equilibram tudo isso. Os homens raramente são questionados sobre isso.

LM: Eu nunca ouvi um homem ser perguntado sobre isso. Eu concedi entrevistas com colegas de trabalho do sexo masculino que são pais, e me perguntam isso, mas para eles não. Eu estava fazendo o piloto de uma série e, inofensivamente, uma vez por dia alguém dizia: “Quem está cuidando do seu filho?” Perguntei ao meu marido: “As pessoas já perguntaram isso no set?” Ele disse: “Não. Ninguém nunca me perguntou uma vez quem está cuidando do meu filho”. Não é ofensivo; Eu entendo completamente o instinto, porque é típico que as mães façam a maior parte da criação de filhos e trabalho doméstico. Mesmo que os homens trabalhem a mesma quantidade, se não às vezes menos. [Risos] E as mulheres estão ganhando menos! Paternidade é mais que um trabalho de tempo integral. Você não tira um dia de folga. Mas meu trabalho remunerado é fazer cabelo e maquiagem, ser criativa, conversar com adultos, sentar para tomar um café em vez de caçar alguém.. é como sair de férias.

Então o que você diz quando as pessoas perguntam como você equilibra tudo isso?

LM: Eu não acho que haja um equilíbrio. Esse termo não é real. Nós ainda não estamos perdoando o suficiente de mães, de mães que trabalham, que é a maioria da população. Eu acho que, como sociedade, particularmente nos Estados Unidos, precisamos perceber que as mães precisam trabalhar. Nós não temos uma opção na maioria das vezes, porque um dos pais não é suficiente. A maioria das pessoas não pode ficar em casa, mas você tem que pagar muito para colocar seu filho na creche.Eu me considero tão sortuda em todos os aspectos da vida, e interpretar esse papel definitivamente me iluminou.
Qual “método” você usou para este papel? Você já disse ao seu marido: “Saia de férias por três dias para eu ficar sozinha com a nossa filha?” [Risos]
LM: Eu nunca diria isso, você está louco? [Risos] Não, nós dois tentamos trabalhar quando o outro não está trabalhando tanto quanto podemos. Inevitavelmente você acaba ficando com seu filho sozinho, e é difícil fazer algo além de assistir ele. Você não pode tomar banho, você não pode comer, você não pode limpar nada. Você não vai ao banheiro sozinha. Você vai ao banheiro com uma pessoa olhando para você. Toda vez.
Você está nesse ramo há muito tempo. Como Hollywood mudou?
LM: Nos últimos dois anos, tudo transbordou. Levou-nos a existência inteira da humanidade para que as pessoas digam, digamos, que as mulheres exigem respeito e dignidade e igualdade em todos os sentidos. Ainda não estamos lá, mas estamos vendo mais mulheres que não estão na faixa dos vinte anos só têm cenas falando sobre outros homens. Nós vemos mulheres que têm falhas que não são apenas superficiais, peculiares ou fofas. Elas têm falhas profundas, como qualquer outro personagem masculino em uma série. Eu acho que [a televisão de hoje] reflete muito mais a sociedade. É importante usar isso para enviar uma mensagem. Começa com o elenco, com a sala dos roteiristas, com as pessoas trabalhando lá, e o que você coloca lá fora.
O Hollywood Reporter informou há alguns meses que o seu elenco está sendo pago da mesma forma. Isso está correto?
LM: Todos somos pagos da mesma forma. Ajuda que muitos de nós tenham o mesmo agente, mas é claro que é uma coisa boa. Eles ficaram tipo: “É justo”. Não sei se teria sido o caso há três anos, cinco anos atrás. Não é incomum falar sobre quanto você está ganhando com as outras mulheres com quem você está trabalhando. E homens! Há alguns anos, eu estava trabalhando com Adam Pally, que eu amo, em Making History na Fox. Logo de cara, ele ficou tipo: “Quanto você está ganhando? Estou ganhando tal quantia”. É a mesma coisa com esse elenco. É sobre ser transparente.
Seu primeiro papel na TV foi Law & Order. O que você lembra disso?
LM: Law & Order é o primeiro papel de todo mundo! Cada pessoa que conheci de Nova York esteve naquele programa. Essa foi uma experiência divertida, porque foi a primeira vez que eu estava em um set. Eu interpretei uma garota cuja mãe foi espancada, e eu tive uma amiga que morreu, e ela estava em um exorcismo, eu acho. [Risos] Já faz um tempo desde que eu assisti. A verdade é que, se eu estiver sendo totalmente honesta, um conjunto em geral – pelo menos para situações dramáticas – não é realmente feito para crianças. Mas em Single Parents, temos muitas crianças e estou impressionado com elas. Eles são mais profissionais do que eu! Eu estou fazendo piadas estúpidas, e eles estão tipo “Vá trabalhar”. [Risos] Em cima disso, eles vão para a escola entre as cenas enquanto eu cochilo no meu trailer. Elas trabalham duro, mas desde que você tenha o ambiente certo, tudo bem.
Não podemos terminar esta entrevista sem falar de Gossip Girl. Você está ansiosa para o dia em que sua filha possa assistir?
LM: Ah, eu não sei. Eu não sei como responder isso. Eu conheço mulheres jovens agora que estão assistindo pela primeira vez, e eu fico tipo “Uau”. A série ainda fala com muitas pessoas, então estou orgulhosa disso. Foi, em muitos aspectos, minha faculdade e um primeiro emprego. Eu tinha vinte e poucos anos, dos 20 aos 26 anos. Foi muito do meu crescimento. Eu trabalhava cinco dias por semana, com 15, 16 horas por dia, todos os dias. Muitos dias eu não via o sol porque estávamos em um estúdio das 5:00 da manhã. às 8:00 ou 9:00 da tarde. Mas eu estava em Nova York, que é o melhor lugar para se viver quando você tem 20, 21 anos. E as roupas obviamente eram incríveis. Eu vou dizer, por causa dessa experiência, estou ansiosa para usar jeans e tênis no trabalho. É definitivamente mais o estilo de Angie [em Single Parents]. É muito mais confortável. Em Gossip Girl, faríamos duas horas por semana. Nós estaríamos usando vestidos de baile, mas havia uma nevasca lá fora e nós teríamos que fingir que não e usar sapatos desconfortáveis. [Risos] Mas ainda assim, muito lindo.
Se Gossip Girl aparecesse na TV, ou você clicasse sem querer no Netflix, você pararia para assistir?

LM: Para ser honesta, eu não assisti ela porque eu estava gravando. Eu simplesmente não tenho tempo. Agora eu apenas falo: “Eu não tenho tempo para assistir a uma série de uma hora”. É difícil acompanhar uma série que é uma hora. Eu sou melhor em pedaços pequenos. Talvez quando eu tiver mais tempo livre algum dia. Eu não sei quando isso virá, mas virá algum dia.

Fonte: Glamour Magazine.

Tradução e adaptação: Equipe LMBR.

REVISTAS – SCANS > 2018 > GLAMOUR MAGAZINE | OCTOBER
ENSAIOS FOTOGRÁFICOS – PHOTOSHOOTS > 2018 > GLAMOUR MAGAZINE | OCTOBER
deixe o seu comentário!